Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2013

Nantes e a residência universitária

Imagem
Cheguei em Nantes na segunda, dia 1 de julho. Perdi a primeira aula, mas segundo os colegas não perdi nada além daqueles ritos de primeira aula, apresentações, etc. Emilie levantou cedo na segunda, apesar da noite mal dormida graças ao seu pequeno Thibaut (se pronuncia "tibô"), para me dar um abraço de despedida. Seu marido JA me levaria para a estação ferroviária. Saímos um pouco atrasados, pois ele tinha pegado no sono novamente quando sua esposa foi perguntar se ele estava pronto. Assim minha aventura começou naquela segunda-feira, correndo nos corredores carregando meu barrigão, enquanto JA carregava minha mala e minha mochila. Não perdi o trem, ufa. Mas como no ano passado (quem lembra?)... aquele era só o começo de um longo dia... Na verdade pra encurtar a historia, fiz o mesmo percurso que ano passado, com apenas um trem a menos, devido a um atraso de 1h30 do trem em Saint-Pierre-les-Corps devido a um "acidente de pessoa" (o que quer que isso queira dizer e…

Clermont-Ferrand

Imagem
Na terça-feira, Mel, Luigi e eu pegamos a estrada de carro em direção a Clermont-Ferrand, onde Mel passaria a noite para seguir até a casa dos sogros em Châteauroux. Os amigos que puderam conhecer Mel atestaram atônitos: "É Bernardo de saias!" E realmente se parecem. 

Em Clermont, descansei bastante. Só fiz ir de casa em casa pra rever amigos e comer. Tudo isso sendo muito paparicada por todos; não peguei ônibus em nenhum momento. Tirei poucas fotos de algumas pessoas apenas. Eu não me sentia a turismo ou de férias. Andar nas ruas de Clermont foi como estar em casa. Eu quis apreciar os momentos com os amigos, como que num fim de semana qualquer. Foi interessante, apesar de não ter registro em imagem. Fica a memória. De qualquer maneira, eu estava num clima diferente. Simplesmente não queria fotos.   Clermont me evocou boas lembranças e ao mesmo tempo jogou na minha cara a ausência do marido. Mas só ela terá a afeição do primeiro amor. Foi nas terras sinuosas do Massif Central

Passeio em Marseille

Imagem
No dia seguinte ao pulo fomos a Marseille, segunda cidade mais populosa da França e a mais antiga. Bancamos os turistas, andamos no "trenzinho", visitamos os principais pontos que o guia quis nos mostrar. Foi bom, não nos cansamos muito e um passeio desse tipo pra gente só com criança pequena e uma grávida cansada; ou seja, não acontece muitas vezes na vida. 
Descobri que a ilha em que se passa a historia de "O Conde de Monte Cristo" fica em Marseille. É sempre bom dormir menos ignorante... 
Visitamos a igreja "Nossa Senhora da Guarda" que fica no topo de um monte velando a cidade.
E conheci a força do lendário "mistral". "Mistral" é o nome de um vento que sopra no sul da França e é forte o bastante pra nos empurrar. Realmente perigoso. E graças a ele presenciei uma cena cuja imagem ficou um bom tempo na memória. Quando subíamos as escadas, duas senhoras tentavam descer segurando, em vão, as saias. Acabaram desistindo e deram meia-volt…